Carta ao Apóstolo Juvenal. Por: Rev. Augustos Nicodemus

.

[Não se preocupem, o apóstolo Juvenal não existe. Também nunca tive amigo que virou apóstolo. O apóstolo Juvenal é uma personagem fictícia, embora baseada em personagens da vida real.]

Meu caro Juvenal,

Espero que você se lembre de mim, o Augustus Nicodemus, seu colega de turma do seminário presbiteriano (talvez você se lembre pelo apelido "Brutus" que eu odiava...!). Faz uns 20 anos que não temos contato. Só recentemente consegui seu e-mail, com o Mário, nosso amigo comum.

Desculpe não lhe tratar como "apóstolo". Você sabe, desde os tempos do seminário, que minha opinião é que os apóstolos constituíram um grupo único e exclusivo na história da Igreja e que hoje não existem mais. Qual não foi a minha surpresa quando me deparei com seu programa de televisão e com você se apresentando como "apóstolo" Juvenal! Eu não sabia que você tinha deixado o pastorado em nossa denominação, montado uma comunidade e adquirido esse título de "apóstolo", o qual, como já disse, não consigo reconhecer como legítimo.

Você sabe que para nós, cristãos históricos reformados, os apóstolos de Jesus Cristo tiveram um papel crucial e extremamente relevante na fundação da Igreja cristã. É um cargo, um ofício, tão sério e fundamental, que ver pessoas usando esse título nos dias de hoje causa um grande desconforto, uma profunda perplexidade e tristeza inominável. Não consigo imaginar uma banalização maior do que essa. Não que você seja uma pessoa indigna, pífia, pérfida ou mesquinha -- não se trata disso. Eu sentiria a mesma coisa se o próprio Calvino resolvesse usar esse título para si.


Não sei o que se passou por sua cabeça para que você, que conhece a Bíblia e a história da Igreja, resolvesse virar um "apóstolo" e montar sua própria comunidade. Pelo seu programa de televisão, ficou patente para mim que você adotou os cacoetes, o linguajar e as idéias que são próprias dos outros "apóstolos" que já estão por ai há mais tempo que você. Valendo-me da nossa amizade dos tempos de seminário, resolvi escrever-lhe e tirar as dúvidas, perguntar diretamente a você, para não ficar imaginando coisas.

1) Quem foi que lhe conferiu esse status, Juvenal? Refiro-me ao título de "apóstolo". Nas igrejas históricas ninguém toma para si o cargo, a função e o título de diácono, presbítero, pastor. São títulos concedidos por essas igrejas a pessoas que elas reconhecem como vocacionadas e aptas para a função. Não sei quem lhe conferiu esse título de "apóstolo". Ouvi falar que existe um conselho de apóstolos no Brasil, ligado a outros conselhos similares no exterior, que é quem ordena e investe os apóstolos no Brasil. Mas, pergunto, quem ordenou, investiu e autorizou os membros desse conselho de apóstolos? Em algum momento, chegaremos ao ponto em que alguém se autonomeou apóstolo, já que esse título e ofício deixaram de existir na Igreja Cristã desde o século I. Os apóstolos de Cristo não deixaram sucessores que por sua vez fizessem outros sucessores, numa corrente ininterrupta até os dias de hoje. Só quem reivindica isso é o Papa e nós não aceitamos essa reivindicação -- aliás, esse foi um dos motivos da Reforma protestante ter acontecido. Por isso, considero a utilização do título "apóstolo" hoje como uma usurpação, uma apropriação indevida dentro da Igreja de uma função histórica que não mais existe.

2) Fala sério, Juvenal, você acha mesmo que é um apóstolo? Quando você usa esse título para si, você está se igualando aos Doze Apóstolos e a Paulo, ou simplesmente usa o termo no sentido de "enviado, missionário", que é o sentido básico da palavra no grego? Se for nesse último sentido, fico menos consternado. Há outras pessoas na Bíblia que são referidas como apóstolos, além dos Doze e Paulo, como Tiago, irmão do Senhor (Gálatas 1:19; mas veja 1Coríntios 9:5 onde Paulo distingue entre apóstolos e os irmãos do Senhor) e Barnabé (Atos 14.14). O sentido aqui é quase sempre de enviado de igrejas locais, missionário, para usar o termo mais popular. Todavia, esse uso é secundário e desconhecido pelas igrejas modernas. Quando se fala em "apóstolo", as pessoas imediatamente associam o termo a Pedro, Tiago, João, Paulo, etc. Usar o título "apóstolo" hoje é igualar-se a eles ou, no mínimo, causar confusão na mente das pessoas. Você acredita mesmo que é um apóstolo como Paulo, Pedro, João, Mateus, André, Felipe, etc.?

3) Se você acredita, então minha próxima pergunta é essa: você viu Jesus ressurreto? Ele lhe apareceu e lhe comissionou como apóstolo? Pois foi assim que ele fez com os Doze e com Paulo. Todos eles foram chamados diretamente por Jesus e o viram depois da ressurreição. Se você disser que Jesus lhe apareceu e lhe comissionou, pergunto ainda como fica a declaração de Paulo em 1Coríntios 15:8, "e, afinal, depois de todos, [Cristo] foi visto também por mim, como por um nascido fora de tempo"? Ele está defendendo que Jesus apareceu a várias pessoas, depois da ressurreição, e "afinal, depois de todos" apareceu a ele. Literalmente, no grego, Paulo está dizendo que "por último de todos" (eschaton de pantwn) Cristo apareceu a ele. Ou seja, Paulo entendia que a aparição do Cristo ressurreto a ele era a última de uma seqüência. É assim que os cristãos históricos sempre entenderam. Se a condição para ser apóstolo era ter visto Jesus ressurreto, conforme Pedro declarou (Atos 1:22; veja também 1Coríntios 9:1), então Paulo foi o último apóstolo. Desculpe, não creio que Cristo lhe apareceu no corpo da ressurreição. Se você disser que sim, prefiro acreditar em Paulo, de que ele foi o último.

4) Você acha, sinceramente, que usar esse título de alguma forma vai ajudar a Igreja? Em que sentido? Veja só, grandes líderes da Igreja, através de sua história, pessoas que deram contribuições duradouras na área de teologia, missões, social, nunca buscaram esse título. Nem mesmo aqueles grandes homens de Deus que viveram na época imediatamente após os apóstolos e que foram discípulos deles, como Papias e Policarpo. Outros, como Agostinho, Calvino, Lutero, Wesley, Spurgeon, e os grandes missionários como Carey, jamais arrogaram para si essa designação. Se alguém teria esse direito, depois dos apóstolos, seriam eles, e não pessoas como você e outros que se apropriaram desse título, e cuja contribuição para a Igreja cristã é mínima comparada com a contribuição deles.

5) Outra pergunta. Pelo que entendi, você é o fundador e presidente dessa igreja "Igreja Apostólica Global da Misericórdia de Deus". Como você concilia isso com o fato de que os apóstolos de Cristo não se tornaram donos, presidentes, chefes e proprietários das igrejas locais que eles fundaram? Eles eram apóstolos da Igreja de Cristo, da igreja universal, e não de igrejas locais. A autoridade deles era reconhecida por todos os cristãos de todos os lugares. Aonde eles chegavam eram recebidos como emissários de Cristo, com autoridade designada por ele. A prova disso é que os escritos deles, como os Evangelhos e as cartas, foram recebidos por todas as igrejas como Palavra de Deus e autoritativas em matéria de fé e prática, foram organizadas e colecionadas naquilo que hoje conhecemos como o cânon do Novo Testamento. Pergunto, então: quem reconhece sua autoridade como apóstolo? As igrejas cristãs do Brasil ou somente sua igreja local? Seus escritos, seus sermões -- eles são recebidos como Palavra infalível e autoritativa da parte de Deus em todas as igrejas cristãs ou somente na sua igreja local?

6) Juvenal, pelo que me recordo de você, você sempre foi uma pessoa com dificuldades de relacionamento com as autoridades. Lembra daquela suspensão que você pegou no seminário por desacato ao diretor e ao capelão? Para não mencionar as brigas constantes que você tinha em sala de aula com os professores, não por causa dos conteúdos, mas porque você insistia em questionar, às vezes até zombeteiramente, a autoridade deles em sala de aula. Lembrando-me desse traço da sua personalidade e do seu caráter, até que posso entender o motivo pelo qual você resolveu abandonar o sistema conciliar da nossa denominação e fundar uma outra, onde você é o chefe supremo. Imagino que você não presta contas a ninguém da sua conduta, do que ensina e de como usa os recursos financeiros que arrecada. Afinal de contas, acima dos apóstolos só Jesus Cristo, e pelo que sei, ele não emite nada-consta nessas áreas...

7) Uma última pergunta e depois vou lhe deixar em paz. Você faz os mesmos milagres que os apóstolos fizeram? Não me refiro a curas em massa de pessoas que não têm CPF nem endereço e que foram curadas de males internos como enxaqueca, espinhela caída, pressão alta, etc. Refiro-me à curas daquele tipo efetuadas pelos apóstolos de Cristo, de aleijados, surdos, cegos, paralíticos, cujas deformidades, endereço e identidade eram conhecidos das comunidades. Refiro-me às ressurreições de mortos, como a ressurreição de Dorcas feita por Pedro. Você faz esse tipo de sinais? Os apóstolos não fracassaram nunca quando diziam "em nome de Jesus, levanta-te e anda". O índice de sucesso deles era de 100%. E as curas eram instantâneas e completas. Quem era cego voltava a ver completamente, e não em parte. Aleijados voltavam a andar e a pular. Você faz isso, Juvenal? Você se incomodaria em me deixar participar de uma daquelas reuniões de cura que você anuncia em seu programa, para que eu entrevistasse as pessoas que dizem ter sido curadas? Não me leve a mal, mas é que tem muita charlatanice nesse meio, muita gente que é paga para dar testemunho falso de cura, muitos que pensam que foram curados quando no máximo foram sugestionados nesse sentido. Curas reais e autênticas serão assim comprovadas por laudo médico, exames, etc. Não é que eu não creia em milagres hoje. Eu creio, sim, que Deus cura hoje em resposta às orações. Inclusive, eu mesmo já fui curado em resposta às orações. O que eu não creio é que existam hoje pessoas com o dom apostólico de curar simplesmente pelo comando verbal, e de realizar curas imediatas e completas de aleijados, cegos, surdos, paralíticos, doentes mentais, cancerosos, aidéticos, etc. Esse dom fazia parte do equipamento apostólico e servia como "credenciais do apostolado", conforme Paulo declarou aos coríntios (2Coríntios 12:12). Se você não é capaz de fazer os sinais que os apóstolos faziam, não creio que tenha o direito de se chamar de apóstolo.

Bom, não sei se você vai me responder. Fique à vontade. Eu precisava lhe perguntar essas coisas, para não ficar imaginando no coração que você é um mercenário, uma daquelas pessoas que está disposta a tudo para ganhar poder, espaço e dinheiro, mesmo que seja às custas da credulidade do povo brasileiro e em nome de Deus.

Um abraço,

Augustus

Autor: Rev. Augustos Nicodemus Lopes
Fonte original: http://tempora-mores.blogspot.com

.

Discipulado por Celular. Não acredita? Então leia!

.

E quando eu já pensava que já tinha visto de tudo no meio evangelicalismo Brasileiro, olha só essa novidade:


Foi lançado, nesta manhã, 19, para os pastores de 10 estados (AC, GO, MS, MT, PR, RO, RS, SC, TO e DF), um projeto ousado que vai revolucionar o mercado da telefonia no Brasil, e principalmente irá beneficiar todas as igrejas da Visão Celular. É a parceria da NOBLECOM (empresa ligada a TELECOM criada exclusivamente para o projeto) desenvolvido pelo Apóstolo Renê Terra Nova, em parceria com a Brasil TELECOM, uma das maiores empresas de telefonia no país.

A idéia é facilitar a comunicação entre os discípulos da Visão em todo o Brasil, pela baixa das tarifas entre os participantes, aproximando com isso os discípulos de seus discipuladores, e aproximando o Apóstolo Renê de seus discípulos em todo o país. Segundo o Apóstolo Terra Nova, o objetivo deste projeto é “consolidar uma multidão de filhos legítimos e proteger o crescimento da Visão Celular no Modelo dos 12, no Brasil e além fronteira”.

O projeto oferece vários planos, desde o telefone pré-pago, a pós-pago e telefonia fixa. Facilita a aquisição de telefonia celular e linha fixa, com tarifas abaixo do mercado, e tendo a possibilidade de, a cada ligação recebida, proporcionar, em bônus, ligações a tarifa zero e ligações mais baratas para os telefones cadastrados na rede do cliente. A NOBLECOM ainda oferece a ligação DDD para todo o Brasil a preço de ligação local, recarga com bônus seis vezes maior ao valor comprado, e pacotes com telefone fixo, mais acesso a Internet Banda larga.

De início, serão os dez estados presentes a reunião, mas a partir de julho, todos os demais estados do território brasileiro entrarão no sistema da parceria NOBLECOM, Brasil TELECOM, Apóstolo Renê Terra Nova e Discípulos da Visão Celular no Modelo dos Doze.

Projeto Nobre - Já foram investidos de início, mais de R$ 35 milhões somente para rodar este projeto para os líderes da nação presentes em Porto Seguro. Segundo representantes da Brasil Telecom, a empresa abraçou a causa do discipulado pelo celular, porque acredita na palavra do Apóstolo Renê Terra Nova e entendeu o que o líder da nação queria: Discipular a Visão Celular através do celular. E a própria empresa desenvolveu o slogan “Projeto Celular no celular”, tendo como base Isaías 32:6.

O atendimento da central com seus clientes, inclusive, será personalizado para a Visão Celular e há uma promessa de que quem atenderá será alguém ligado às igrejas da Visão, com uma linguagem cristã e abençoadora.


Palavra do Apóstolo (René Terra Nova) sobre o projeto:

Eu quero falar com o Brasil. Há dois anos e meio, Deus me deu um projeto. Um projeto de comunicação. Neste projeto, está incluído desde telefones celular a Televisão Digital para os Doze e Rádio. A rádio penetra oito vezes mais que a Televisão. Mas, para começar, vamos oferecer uma ferramenta poderosa. A Visão é Celular e nada melhor do que um celular para desenvolver a Visão.

Hoje o mercado celular é muito explorado. Um projeto que precisa de 35 milhões de reais só para rodar. Nele haverá a palavra do dia, versículo do dia. Um programa que vai revolucionar o discipulado no Brasil. Um povo que vai se comunicar de graça com o Apóstolo Renê. Aqui tem os maiores líderes do Brasil que vão calar a boca de todos aqueles que não acreditam nesse projeto. Em pouco tempo, veremos os gigantes das altas tarifas caírem e o povo ser abençoado pela Visão Celular.

Fonte: www.mir12.com.br


Isso mesmo meu povo! A mais nova empreitada do Paipóstolo René Terra Nova é o mercado de telefonia celular. Um dos mercados que mais está em evidência de crescimento tratando-se de $$ no mundo todo, inclusive no Brasil. Que negócio lucrativo ein?

Ora, se o sr. René quer se aventurar neste mercado, não temos nada contra, ele é livre para ganhar o dinheiro dele como quiser, porém o que não dá para se conformar é o fato dele vincular este projeto milionário à Igreja dizendo que foi uma "visão" que Deus lhe deu para "revolucionar o discipulado". E toda a arrecadação para este projeto partiu dos próprios "discipulos" do congresso de Porto Seguro!

Este projeto tem como objetivo criar na "visão celular dos G12" o "discipulado via celular"! Ou seja, você pode discipular alguém somente por telefone! Logo, pra quê se relacionar pessoalmente se temos agora a NOBLECOM para "economizar" o nosso desgaste? Afinal, quanto mais você usa, mais bônus de ligações vai poder utilizar e mais pessoas você vai poder ligar! Discipulado presencial já era! Mas, para isso você deve adquirir um dos aparelhos e planos da "NOBLECOM", ou seja, além de "investir" no projeto (no caso de você ser um discípulo da visão celular no Brasil), você terá que pagar para utilizar o mesmo!

Foram mais de R$35 milhões de investimento (nem te conto de onde saiu esta grana toda) para começar esta empreitada em parceria com a Brasil Telecom.

Francamente, não consigo assimilar como alguém em sua sã consciência (se é que podemos chamar assim) possa acreditar em algo tão "espalhafatoso" que dizem ser uma "visão" estratégica para a igreja. Ajuda aí irmão... Estratégia só se for para "lucros celulares" (claro que no sentido de fibras ópticas e ondas digitais via chips GSM)...

Desculpe-me líder da nação, mas tive que falar.

Ruy Marinho
Blog Bereianos

.

Breve dicionário extravagante

.
A nossa proposta nesse dicionário é esclarecer aos próprios e à outros que tenham curiosidade de entender o que significam alguns jargões e/ou o que tem sido entendido sobre algumas coisas, no contexto pós-moderno de adoração e adorador, o extravagante.

Fruto de aguda observação e alguns anos de vivência na mentalidade do adorador pós moderno, lhes trago esse material. Quem tem ouvidos, ouça!


Adoração: Momento no qual, por meio de músicas ora barulhentas, ora melancólicas, porém igualmente massantes e superficiais, é seguido um ritual de sons, movimentos exagerados e expressões faciais de dor com os quais o indivíduo se torna mais santo, menos mundano e mais perto de Deus. Ritual esse comandado por um ministro e em alguns casos até mesmo por um CD.

Adorador: status do indivíduo que se dispõe, sem sombra de indagação à tudo o que disser o ministro de adoração e/ou seus cantores favoritos.

Arte: Estratégia de evangelização

Artista: O oposto de adorador; do ministro.

Bíblia: Livro largamente (e erroneamente, na maioria dos casos) citado, mas pouco consultado, pesquisado ou minimamente lido. Para os levitas: Fonte inesgotável de analogias, utilizada muito para justificar todo o tipo de exagero e manipulação congregacional no momento do louvor; os chamados "atos proféticos" por eles realizados. Muito lembrado, também no momento em que se escolhem os nomes para as bandas ou ministérios. Para os pregadores: Instrumento principal de imposição da "verdade" e de toda sorte de doutrinas e, consequente manipulação em massa. Também utilizado para dar algumas ordens à Deus.

Dança: Uma forma de adoração espontânea e profética. Como expressão de cultura nacional é considerada um pecado, contudo, quando dançado em ritmos norte-americanos como o hip hop, break dance, se torna uma boa forma de evangelismo. Na reunião congregacional há a dança profética, um conjunto de movimentos suaves, repetitivos e teoricamente carregados de significado sobrenatural, se assemelha à dança contemporânea ou ao balé, porém sem a mesma riqueza.

Deus: Ser desconhecido, não obstante muito admirado e aspirado. Se apresenta de diversas maneiras: no momento de dor, assume o papel de um analgésico: foi feito para acabar com o sofrimento em algumas horas e caso não o faça, é alvo de profunda decepção; nos momentos de felicidade, geralmente é relevado; algumas vezes se mostra como Todo Poderoso e todo castigador, detentor da grande marionete do mundo, velho, rabugento, severo tentador de seus servos; outras porém, como um ser inseguro e carente, que necessita de toda a adulação do Universo, e que para recebê-la, cede a todos os nossos desejos. Um ser a nossa imagem e semelhança

Diabo: O responsável por tudo de ruim que acontece e aconteceu no mundo. Ser maligno que impõe mais temor e respeito aos seguidores de Cristo que o próprio Cristo, motivo pelo qual os cristãos não gostam que se mencione o seu nome ou de seus demônios, nem mesmo que se zombe dele o que atrairia sua fúria.

Gafanhoto: Pseudônimo para irresponsabilidade na administração financeira. Espírito que se fortalece quando não dizimamos ou quando não ofertamos com generosidade.

Ímpio: quem não é crente

Jovem: Casta facilmente moldável. Amantes de músicas agitadas e tudo que não exija refexão, seus intelectos não devem ser estimulados, assim como sua capacidade analítica, o que causaria um pandemônio, deixando-os indomáveis e facilmente tragáveis pelo Inimigo.

Incrédulo: quem não é crente

Louvor: Música de estilo norte-americanos ou europeu que possui uma boa quantidade de referencias bíblicas.

Mundo: todas as pessoas que não se declaram explicitamente cristãs.

Pecador: quem não é crente

Samba: Musica extremamente mundana, exceto se de conteúdo explicitamente cristão. Ainda assim, inapta para a reunião congregacional. A dança é inaceitável em qualquer dos casos

Unção: Soma de carisma e fama. A capacidade de fazer a platéia gritar, pular, chorar etc. e de fazer milagres de cura espetaculares.

Universidade: Um dos lugares mais perigosos da Terra, onde é aprendido toda a sorte de teorias heréticas, lugar onde noventa e nove porcento dos jovens cristãos se desviam dos caminhos do Senhor, logo, um lugar a ser evitado.


Autor: Cerestino, no blog Profundo no mundo.

http://profundonomundo.blogspot.com/
.

Silas Malafaia x G12. Enfim, a resposta!

.

Por Ruy Marinho

No último dia 6 de setembro, o Pastor Silas Malafaia se pronunciou em seu programa de TV sobre as "supostas" afirmações de que o mesmo faz parte da doutrina G12. Tal afirmação partiu-se logo depois que fora anunciado a "junção" entre os dois pastores (Silas e René), junção esta noticiada no site oficial de René Terra Nova (Clique aqui para ver a matéria).

Veja as afirmações de "defesa" do Silas Malafaia no vídeo abaixo:


.
Silas Malafaia, em sua defesa de participar do G12, foi muito genérico na resposta, fez comparações com pastores os quais ele "anda" e que possui outras linhas teológicas para sustentar a sua "junção" com René Terra Nova. Porém, ele se concentrou mais em "bombardear" os que o criticaram por causa desta ação, com palavras ofensivas e de desprezo generalizadas, mostrando assim um certo nervosismo, desequilíbrio intelectual e despreparo apologético em sua defesa. Ele disse: Eu não vou viver o tempo todo dando respostas a crentes medíocres, com todo respeito, meninos que são levados por qualquer vento.
.
No vídeo acima o Pastor Silas diz o seguinte também:
.
Tudo que você ouvir de alguém faça isso: 

1º - Duvidar - será que e verdade o que estão falando? 
2º - Criticar - quem é essa pessoa? O que estão falando? Cade as provas? Procede?
3º - Determinar - Isso é verdade, isso não é verdade, isso eu não sei.

Malafaia nos orienta a fazer estas três etapas, porém ao ver o seu vídeo vejo claramente que ele não faz o mesmo. Ele nem ao menos se preocupou em comentar as "análises" feitas por todos aqueles que criticaram essa nova "junção" entre ele e René. Seria pelo motivo de Malafaia ser o centro da crítica? 
.
Ora sr. Silas, claro que todos os que comentaram sobre a sua "junção" com René Terra Nova fizeram isso que o sr. recomenda. Todos duvidaram, criticaram e determinaram conforme você orienta. Porém, não teremos nenhuma dificuldade em fazer novamente "este procedimento" para comprovar que realmente a "sua teoria" é correta.


Vejamos as "provas":
Notícia divulgada pelo site oficial de René Terra Nova.

Terra Nova e Malafaia, pela unidade do Reino, fazem Congresso em Brasília.

Em primeira mão para o site do MIR, o Apóstolo Terra Nova dá entrevista sobre seu encontro com o Pastor Silas Malafaia. Resultado de jejum e oração, esse encontro é um marco para uma mudança no Brasil, em 2008, e prova que Deus começou a mover os céus da Nação. Durante a conversa, falaram sobre assuntos como vida pessoal, Visão Celular e diferenças ministeriais, acertaram pendências e provaram, mais uma vez, que Jesus Cristo sempre prevalece.

Ap. Terra Nova:

No dia 19 de Abril de 2000, fiz uma oração em público, em Porto Seguro, quando o assunto polêmico sobre a Visão fervilhava nos arraiais da Nação. Claro que o meu temperamento domado ajudou muito a evitar uma colisão e eu orei com mais de 5000 líderes naquele dia, e pedi a Deus uma mudança radical daquela fala e daquele sentimento que estava sendo lançado sobre nós, e o Brasil é testemunha que eu pedi a aproximação de Silas na Visão. Ora, eu sou representante da Visão, eu sou um dos líderes principais da Visão no Brasil, e, justamente em 2008, quando sinalizamos todos os cumprimentos da nossa profecia, Deus provoca este encontro. O mundo espiritual é extremamente organizado e tudo ao tempo do Senhor é formoso e perfeito. Acredito que fechou um ciclo e abriu-se um novo, e este tempo novo só vai saber ler quem se deixou ser alfabetizado para este novo momento.

Fonte: http://www.mir12.com.br (Site Oficial de René Terra Nova)

Veja outro vídeo onde mostra a "junção" entre Malafaia e Terra Nova em outro congresso (CIMEB):

.


Veja agora a postura "antiga" de Silas Malafaia sobre o "método G12":
.


Não vou comentar sobre às práticas de René Terra Nova, pois todos já conhecem suas "proezas neopentecostais, judaizantes e mercantilistas".

Silas Malafaia foi um dos pastores que defendeu fortemente que o "método G12" não procede de Deus e que é maligno. No vídeo acima (postura antiga contrária o G12) disse que o método é antibíblico e que utiliza parâmetros de Budismo (proibição de se comunicar com os outros participantes do encontro, levando assim ao "nobre silêncio", etc), técnicas de Seisho-No-ie (sutra-sagrado = escrever todos os seus erros e queimar na fogueira), terapias de vidas passadas que é o Espiritismo, ocultação e proibição de divulgar sobre o encontro, pressões psicológicas, técnicas de auto-sugestão e lavagem cerebral (repetir várias vezes as palavras, cantar várias vezes a mesma música, repetir tremendo, etc), quebra de maldições hereditárias (a Cruz de Cristo não é suficiente), cura interior (técnicas de psicoterapia, musicoterapia, etc.),
regressão na cura interior (ir até o ventre, etc.), necessidade de "perdoar até Deus", entre várias outras coisas.

Isto posto, veja o que Silas Malafaia falou agora neste vídeo recende onde ele defende sua "junção" com René Terra Nova:
"Tenho uma facilidade para andar e para relacionar com pessoas que pensa diferente como que eu penso. René terra nova é um homem de Deus tanto quanto eu. Ele prega o evangelho como eu prego, que ele ama o reino de Deus como eu amo. Ele não precisa abrir mão de uma vírgula de suas posições para andar comigo e eu não preciso abrir mão de uma vírgula do que penso do G12 para andar com ele. Homens de Deus maduros sabem andar com pessoas diferentes. Jesus não se relacionava com gente igual. Jesus escolheu 12 apóstolos diferentes e não iguais. Eu me relaciono com pastores presbiterianos, batistas e neopentecostais. Todos eles creem que Jesus é o salvador, que a Bíblia é a inerrante palavra de Deus, nós nos diferenciamos de métodos, mas somos todos participantes do mesmo reino."

Ora, Malafaia afirma estar "andando" com René Terra Nova (inclusive dividindo congressos, palestras, programas de TV, etc.) e também afirma que René Terra Nova é um "homem de Deus", que "prega o Evangelho como ele prega" e que o René "não precisa abrir mão de nenhuma vírgula de suas posições sobre G12 para andar com ele".

Então, um homem que é percussor do movimento de visão celular, um homem que em seus "encontros" propaga às práticas de métodos de Budismo, técnicas de Seisho-No-ie, terapias de vidas passadas que é o Espiritismo, ocultação e proibição de divulgar sobre o encontro, pressões psicológicas, técnicas de auto-sugestão e lavagem cerebral, regressões, quebra de maldições hereditárias, cura interior com psicoterapias, entre várias outras coisas, segundo Malafaia, é um "homem de Deus"?

Como pode um "homem de Deus" possuir tais práticas? Como pode alguém "andar junto" (dividir púlpito em congressos, igrejas, palavras, etc) com alguém que pratica tudo isso? Que ecumenismo louco é esse?

Jesus escolheu sim 12 apóstolos, cada um diferente do outro. Porém os mesmos só exerceram seus ministérios após uma preparação intensiva com Jesus. Não teve nenhum apóstolo que pregou heresias! Jesus andava com pessoas diferentes e pecadoras, porém após esse contato elas se convertiam (ou não). Jesus se "relacionava" com os fariseus para confrontá-los com a verdade, porém não vemos na Bíblia nenhuma passagem dizendo que Jesus "compactuava" com eles. Se relacionar com pastores que tem diferenças doutrinárias teológicas não vem ao caso. Até porque o problema não é "relacionar-se", mas "andar juntos" (o mesmo que compactuar com as práticas do oposto), inclusive no sentido de dividir púlpitos em congressos, Igrejas e programas de TV.

Temos que nos relacionar com os pecadores e com àqueles que estão no erro, justamente para "corrigi-los" com amor e mansidão e não para "compactuar e aceitar" com às heresias que os mesmos pregam. Afinal, a Bíblia nos ensina isto: "Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina." 2 Tm 4:2 (grifo meu) "Porque existem muitos insubordinados, palradores frívoros e enganadores, especialmente os da circuncisão. É preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por tôrpe ganância. Foi mesmo, dentre eles, um seu profeta, que disse: Cretenses, sempre mentirosos, feras terríveis, ventres preguiçosos. Tal testemunho é exato. Portanto repreende-os severamente, para que sejam sadios na fé."
Tito 1:10-13 (negrito meu).

"Andar Junto" com pessoas que praticam heresias e distorções Bíblicas, aceitando pacificamente dividir os mesmos púlpitos, congressos, igrejas, programas de TV, etc. seria bíblico?

Veja o que a Bíblia diz a respeito:
"Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?" Amós 3:3

"Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; afastai-vos deles, porque esses tais não servem a Cristo, nosso Senhor, e sim a seus próprio ventres; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos incautos." Rm 16:17-18 (negrito meu)

"Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;" Cl 2:8

"Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, alterações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro. De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentam com muitas dores. Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão." 1 Tm 6:3-11 (negrito meu)

"Não me tenho assentado com homens falsos e com os dissimuladores não me associo." Sl 26:4 (negrito meu)

Realmente a teoria do sr. Silas de "Duvidar, Criticar e Determinar" funciona e é correto para nós. Está aí a base de nosso argumento que, utilizando das prerrogativas legais das leis de nosso pais e de bases sólidas, tanto bíblicas como provas concretas, usamos para poder comprovar o argumento que outrora também defendemos.

Realmente o sr. Silas está mudando de idéia nos últimos tempos em muitas coisas. Basta "analisar" às evidências. Nós é que sentimos vergonha!

Autor: Ruy Marinho
Blog Bereianos!

.

2008 - Ano apostólico de Ester! E o ano apostólico de Paulo nunca chega!

.


No final do ano de 2007 o "apóstolo" Estevam Hernandes, líder da igreja Renascer em Cristo, lançou uma "palavra profética" sobre o ano que viria em 2008. ele disse:

O ano de 2008 viveremos o Ano de Livramento, o Ano de Reinado, o
Ano Apostólico de Ester. Este incrível mover de Deus que vai nos acompanhar durante o Ano de 2008 inteiro.

Como já é de se esperar, estes líderes neopentecostais do apostolado contemporâneo lançam suas temáticas anuais com muitas promessas de prosperidade financeira, triunfalismo e ostentação, reinado na terra sobre os demais homens, poderes apostólicos especiais, influências políticas e empresariais, promessas de ser cabeça e não cauda e, como de costume, um festival de marabalismos teológicos distorcivos, tudo isso para consolidar um monopólio coletivo onde o culto à Deus é deixado de lado para se ter um culto especial para satisfazer as necessidades e vontades do homem, totalmente antropocêntrico em suas ministrações. E o pior de tudo, as pessoas são levadas a serem totalmente dependentes destes líderes, onde o "culto racional" é ocultado para se ter o "culto irracional", afinal não há liberdade para se pensar, uma vez que até mesmo as orações são feitas através da repetição de frases ditas pelos próprios líderes da igreja.

É o que infelizmente acontece nos lançamentos desses anos temáticos. Veja agora a oração que está descrita na imagem acima (se preferir, clique no link acima para escutar a mesma na íntegra):

"Deus Pai de Amor, que em nome de Seu Filho Jesus Cristo me escolheu para assentar acima de principados, potestades e dominadores me abençoando com toda a sorte de bênçãos espirituais. Eu declaro que neste ano Apostólico de Ester eu cumprirei a Tua vontade. Eu aceito teu chamado para reinar. Eu ocuparei a posição que o Senhor determinou , verei os teus inimigos envergonhados e os planos do inimigo quebrados. Eu declaro que a forca preparada contra a minha vida já está desfeita, que os decretos do inferno para destruir a minha família e o meu ministério não prosperarão. Eu declaro em nome de Jesus que o inimigo vai ter que me honrar, e com as minhas mãos levantadas eu tomo posse e declaro que o pur vai se transformar em purim e eu e minha família e a Igreja de Jesus Cristo vamos viver os maiores livramentos de todas as nossas vidas. Eu declaro que ninguém vai roubar a minha posição, eu faço parte da Igreja vitoriosa de Jesus Cristo e o inimigo não vai prevalecer, como Ester, como Mordecai terei prosperidade abundante, terei reconhecimento e declaro que haverá na minha casa, felicidade, alegria, regozijo e honra. Tomo posse de todos os milagres de Ester, cubro-me com o manto desta unção para viver o melhor ano que eu já vivi em toda a minha vida em nome de Jesus. Eu estou subindo os degraus que me levarão a minha condição de reinar e nada me impedirá em nome de Jesus. Deus, eu recebo esta unção e declaro que 2008 é o ano que eu serei honrado e eu darei a Ti toda a honra e toda glória em nome de Jesus."

Se entrarmos na questão teológica, veremos como de costume, em se tratando de Igreja Renascer em Cristo, várias distorções Bíblicas, como por exemplo esta oração que poderíamos neste caso classificar de "vãs repetições manipuladoras", pois o "apóstolo" faz a citação desta oração pré-escrita em um papel e todos os demais membros da igreja repetem, algo comum nas Igrejas neopentecostais (Ouça o audio no link colocado no início).

Também a "onomatomancia" que é o misticismo que acredida que existe "poder mágico" nas palavras pronunciadas, o apostolado contemporâneo, onde é colocado nos "apóstolos de hoje" um poder especial de super crente, com isso o mesmo é tido como intocável ou inerrável (vai falar que eles estão errados para um discípulo dos mesmos).

Vemos também nesta oração a citação de que "os decretos do inferno para destruir a família e ministério não prosperarão". Ora, quem "decretou" alguma coisa do inferno? Se for satanás, desde quando o mesmo já está no inferno? O Diabo não está no inferno e sim nos ares (Jo 1:7,2:2 ; Ef 6:12), ele será lançado no inferno somente após o milênio (Ap 20:10), no inferno não haverá tempo para o diabo brincar ou torturar alguém, aliás, isto seria um prêmio para ele, mais no inferno ele será atormentado (Ap. 20:10b).

Enfim, são tantas distorções teológicas nesta suposta oração que deixo estas refutações que citei acima como pontapé inicial para a análise mais apurada na mesma para verificar as demais incoerências.

Um irmão de uma comunidade do Orkut foi muito feliz em seu comentário sobre este tal "ano apostólico de Ester" e faço as palavras dele as minhas.

Acho engraçado que o ano apostólico de Pedro nunca chega. Ninguém quer ser crucificado de cabeça para baixo.

E o ano apostólico de Jó? Seria ótimo para exercitar a paciência.

E o ano apostólico de Paulo? Passar alguns anos no xadrez seria outro ótimo exercício de perseverança e longanimidade. Passar fome também, dificuldades financeiras, espinho na carne...

Aliás, nunca vemos anos apostólicos em que os temas sejam os próprios apóstolos, pois ninguém quer padecer perseguições pela causa de Cristo. Apenas o evangelho (ou seria apostolado?) do
"venha a nós", deixando o "Vosso Reino" de lado.

É assim que caminha a humanidade (neopentecostal, é claro).

Que Deus tenha misericórdia.


Autor: Ruy Marinho

Créditos: Rogério Bragil (Orkut, comunidade "não aguento mais mantra gospel") Pelo comentário sobre este ano apostólico de Ester.
.

O Evangelho da avareza e os ministros da riqueza.

.

“E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas...”. (2 Pedro 2.2,3)

Como podemos ler acima, a Bíblia já nos alertava para o fato de que, no decorrer dos séculos, haveria certos líderes religiosos que usariam a fé para lucro pessoal. O apóstolo Pedro revelou que tais líderes seriam movidos pela ganância e não pelo amor a Palavra de Deus. Vemos que nesta profecia bíblica foi revelado também que muitas pessoas seguiriam esses líderes corruptos, que se disfarçariam de homens de Deus. Estes “servos de Deus” usariam palavras fingidas para enganar o povo, e seus verdadeiros objetivos e ensinamentos seriam movidos pela avareza (amor ao dinheiro) e não pelo amor genuíno as pessoas e suas necessidades espirituais.

Nos últimos anos iniciou-se um movimento religioso em algumas igrejas evangélicas que tem atraído muitas pessoas, de várias religiões. Tal movimento é conhecido como a “teologia da prosperidade”, mas bem que poderia chamar-se também de “o evangelho da avareza”. Isto porque é possível notar que seus líderes substituíram o genuíno evangelho de Jesus, contida nas Escrituras Sagradas, por um culto exacerbado ao dinheiro. Devido à avareza de seus ministros, em certo momento de suas reuniões, não é possível distinguir se eles estão promovendo um culto a Deus ou um leilão da fé. Em seus “cultos”, eles costumam bradar em alta voz para o povo: “quem vai dar 1000 reais agora?”. Incrivelmente, esses líderes conseguem fazer com que alguns fiéis ofertem quase tudo o que possuem.

A Bíblia revela que a oferta na casa de Deus deve ser dada voluntariamente, e não por intimidação. Também não se pode estipular o valor da oferta, pois ela deve ser dada com alegria no coração (2 Coríntios 9.7). Os mestres avarentos ensinam que quanto maior for o valor financeiro envolvido na oferta, maior será a aprovação de Deus. Por outro lado, Jesus demonstrou que a quantia não significa nada, mas sim o sacrifício de amor envolvido nela (Marcos 12.41-44). Vemos que estes ministros avarentos não seguem os ensinamentos deixados por Jesus, por isso caem no erro.

Os líderes religiosos desse movimento podem ser chamados de “os ministros da riqueza”. Tais líderes assemelham-se bastante aos Fariseus, que foram líderes religiosos da época de Cristo, os quais eram extremamente avarentos, e criam que a riqueza era um sinal determinante do favor de Deus. Esses líderes também criam que a pobreza financeira era sinal de falta de fé, exatamente como os ministros da riqueza de hoje. Muitos deles têm a audácia de afirmar isto em tom sarcástico e desafiante, para todos ouvirem.

Os horários que estes ministérios da prosperidade compram na TV estão repletos de imagens de pessoas dirigindo seus carrões e vivendo em suas mansões, como se a principal missão de Jesus fosse deixar o homem milionário. Eles afirmam ainda que se alguém passa por dificuldades financeiras, é porque não tem fé. Isto é um grave insulto ao povo brasileiro, que é um povo trabalhador e que confia em Deus. É bem verdade que a Bíblia revela que Deus prospera Seus filhos, porém também revela que o dinheiro não é tudo, pois quando partirmos, não poderemos levar nada deste mundo (1 Timóteo 6.7). Não é sábio colocarmos nossa confiança em algo corruptível, que as traças roem (Mateus 6.20).


O que a Palavra de Deus realmente revela?

Jesus Cristo, o Filho de Deus, ensinou que devemos buscar a Deus em primeiro lugar, e certamente Ele nos acrescentará as coisas necessárias a nossa vida diária. Jesus enfatizou: “Mas buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6.33). Mas quais são “todas as coisas” que Jesus se referiu? Se observarmos o contexto bíblico, veremos que Jesus referia-se a vestimenta, alimentação e moradia (Mateus 6.31). São as necessidades básicas que Deus garante suprir de Seus filhos, e o que passar disso, entra na esfera da vontade direta de Deus, de acordo com Seus propósitos para cada um (1 Timóteo 6.17-19). Mas, infelizmente, não é isso que os “ministros da riqueza” ensinam com seus evangelhos distorcidos. Eles ensinam aos cristãos buscarem as bênçãos de Deus, e não o Deus da benção. Pregam um evangelho de interesses ocultos.

Em Sua Palavra, Deus jamais promete nos livrar de todos os revezes na vida. O apóstolo São Paulo, um homem de fé inabalável, disse: “... em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Filipenses 4.12,13). Apesar das dificuldades que enfrentamos, Deus nos promete ajudar, mas Ele quer que nos contentemos com aquilo que Ele nos proporciona no momento (1 Timóteo 6.8). Não devemos ser gananciosos. Deus ensina o cristão a viver pela fé, e não pela visão (2 Coríntios 5.7). O cristão vive acima das circunstâncias.

Deus jamais abandona Seus filhos, mesmo nas horas mais difíceis. Pelo contrário, Ele espera que clamemos por Sua ajuda (Jeremias 33.3), para que nossa confiança Nele aumente (Tiago 1.3). Assim como o ourives trabalha no ouro, usando o fogo para retirar suas impurezas, Deus trabalha em nós. Deus nos prova para purificar a nossa fé (1 Pedro 1.7). Deus nos capacita a reagir diante das situações, e se permanecermos fiéis, Ele nos livrará e mostrará uma saída. A vida cristã envolve obediência a Cristo mesmo diante das dificuldades e tentações. Deus garante que fará o bem surgir de todas as dificuldades que Seus filhos passarem (Romanos 8.28).

Muitos cristãos, por estarem seguindo estes ministros corrompidos, estão aprendendo que devem esperar as bênçãos de Deus somente nesta vida. O apóstolo São Paulo disse: “Se esperarmos em Cristo somente nesta vida, seremos os mais miseráveis dos homens” (1 Coríntios 15.19). É essa vida espiritualmente miserável que os mestres do “evangelho da avareza” ensinam. Porém, Jesus revelou que o maior milagre que Deus quer realizar em nossas vidas é o milagre da SALVAÇÃO e a VIDA ETERNA (João 3.16).

A Palavra de Deus revela que não receberemos o melhor de Deus nesta terra, mas somente na nova terra que Ele já preparou para Seus filhos fiéis (João 14.2; Apocalipse 21.1-4). Somente receberemos o melhor de Deus na eternidade, onde Ele nos dará uma vida plena, diferente desta vida sofrível que vivemos neste mundo atual. A Bíblia revela que nem mesmo em nossos mais profundos devaneios, não teríamos a capacidade de imaginar as coisas que Deus tem preparado para aqueles que O amam (1 Coríntios 2.9). A mente humana não consegue alcançar todas as maravilhas que Deus reserva para os cristãos fiéis, que tomam a sua cruz e seguem a Jesus.


A banda podre da Igreja: Jesus já nos advertiu contra os falsos mestres

Aqueles que confiam em Jesus, não se escandalizam com estes falsos ministros de Deus. Isso porque Jesus já havia nos advertido contra os falsos servos de Deus, que iriam distorcer Seus ensinamentos para justificar seus modos de vida. Jesus disse: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores” (Mateus 7.15). Muitas pessoas deixam de entregar suas vidas a Jesus por causa do repúdio que sentem por esses líderes. Porém Jesus nada tem a ver com isso. Jesus jamais ensinou este evangelho avarento, pois o amor ao dinheiro é idolatria (Efésios 5.5). A idolatria é algo abominável a Deus e diabólico. O próprio Jesus alertou que o aparecimento dessas pessoas seria uma realidade em Sua Igreja. Por isso que devemos confiar somente na Palavra de Deus, que nos alerta contra o engano de homens corrompidos e desviados da verdade (2 Coríntios 11.3,4; Gálatas 1.6-8).

Evidentemente que estes líderes não são cristãos verdadeiros. O apóstolo Paulo revelou que o próprio Satanás se disfarça de ministros de Deus para enganar as pessoas: “E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça” (2 Coríntios 11.14). Porém, não é sensato generalizar, porque o remanescente fiel sempre existiu na Igreja de Cristo e sempre existirá até o dia do julgamento final, dia em que todos os homens serão julgados (2 Coríntios 5.10). A Bíblia revela que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus (Romanos 14.12). Por isso não adianta generalizar, pois aqueles que não se converterem, igualmente serão condenados (Lucas 13.3).

Jesus também falou sobre o “joio”, que é a parte podre da Igreja. Jesus garantiu que os tais, que não são cristãos verdadeiros, seriam lançados na fornalha de fogo no dia do juízo final (Mateus 13.41,42). E terrível coisa é cair nas mãos do Deus Vivo (Hebreus 10.31). O apóstolo Pedro revelou o destino dos mestres corruptos, que zombam de Deus: “Estes são fontes sem água, nuvens levadas pela força do vento, para os quais a escuridão das trevas eternamente se reserva” (2 Pedro 2.17). Certamente estes não estarão numa situação favorável diante de Deus no dia do julgamento. A justiça divina é perfeita e imparcial. Deus não faz distinção de pessoas, e tudo o que o homem plantar, isso colherá (Gálatas 6.7).

Ao mesmo tempo em que Jesus condenou os falsos profetas (joio), Ele também falou sobre os verdadeiros servos de Deus. Jesus os classificou como “trigo”, isto é, a parte boa de Sua Igreja, aqueles que permanecem incorruptíveis. Estes possuem temor a Deus. Apesar da corrupção moral e financeira ser bastante evidente nas igrejas da atualidade, ainda existe os verdadeiros servos de Deus, que apascentam as ovelhas de Jesus com amor, seguindo e pregando a verdade (Efésios 4.15). Estes não enganam, pois temem verdadeiramente ao Senhor.


Avareza: o atalho mais rápido para a perdição


O dinheiro, em si, não é mau. A Bíblia não diz em parte alguma que o dinheiro é perigoso, mas revela que o “amor ao dinheiro” é motivo de perdição para muitos: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (1 Timóteo 6.10). E é justamente isto que os ministros da riqueza fazem, amam o dinheiro e ensinam as pessoas a amar também. A cobiça pelo dinheiro leva muitas pessoas a se desviarem da fé verdadeira, pois domina e escraviza o coração. Por isso que muitos servos de Deus começam sua caminhada cristã com sinceridade, porém se deixam enganar pela sedução das riquezas.

Justamente por isso que Jesus disse que não se pode servir a dois senhores (Mateus 6.24), porque se nos dedicarmos a um, automaticamente desprezaremos ao outro. É possível servir a Deus e ter dinheiro, porém não há como servir a Deus e ao dinheiro ao mesmo tempo. Se não tivermos cuidado, a dedicação ao acúmulo de riquezas pode sufocar a nossa fé e corromper o nosso caráter. Por isso que a Palavra de Deus nos alerta várias vezes contra o perigo do amor ao dinheiro. Jesus também disse que onde está o tesouro do homem, ali está o seu coração (Mateus 6.21). Se fizermos do dinheiro o nosso tesouro, certamente é nele que estará o nosso coração. Como vimos antes, Jesus nos ensinou a colocar os nossos corações em Deus, e Ele suprirá todas as nossas necessidades mais profundas (Mateus 6.33).

A avareza é um pecado perigoso, pois facilmente conduz a outros pecados, como a mentira e a desonestidade. Jesus disse: “Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” (Lucas 12.15). O valor de uma pessoa não consiste no valor de seus bens. Esse ensinamento pode ser ridicularizado por alguns que amam o dinheiro. E Infelizmente essa foi a reação de alguns líderes religiosos diante das Palavras de Jesus (Lucas 16.14). Curiosamente, os “ministros da riqueza” fazem o mesmo. Igualmente zombam dos verdadeiros servos de Deus, que combatem a exagerada “teologia da prosperidade” e pregam a verdade revelada na Palavra de Deus, mesmo que não seja popular e agradável (Gálatas 1.10).

Diante dessa triste realidade, os cristãos verdadeiros não devem perder o ânimo de buscar e servir ao verdadeiro Deus, o Pai de Jesus Cristo, que nos ama de tal maneira que sacrificou Seu próprio Filho para nos livrar de Sua ira justa contra um mundo tão perverso e rebelde a Sua vontade (Romanos 5.9). Devemos confiar na Palavra de Deus. Ao aceitarmos Jesus, podemos não nos tornar milionários, mas aqueles que aceitam tomar a cruz e seguí-Lo, certamente encontrarão a verdadeira riqueza, a riqueza espiritual, as quais Deus nos dará na eternidade:

“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam”.
(1 Coríntios 2.9)


Autor:Igor Chastinet.

.

Jesus veio para por um fim na Lei de Moisés?

.

MATEUS 5:17-18 - Jesus veio para pôr um fim na Lei de Moisés?


PROBLEMA: Jesus disse muito explicitamente: "Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir." Entretanto, certa ocasião Jesus aprovou seus discípulos quando eles quebraram a lei dos judeus quanto ao trabalho no sábado (Mc 2:24), e o próprio Jesus aparentemente aboliu a lei cerimonial ao considerar puros todos os alimentos (Mc 7:19).

Os discípulos de Jesus rejeitaram claramente muito do que era da lei do AT, inclusive a circuncisão (At 15; Gl 5:6; 6:15). De fato, Paulo declarou: "Não estais debaixo da lei e sim da graça" (Rm 6:14), e afirmou, também, que os Dez Mandamentos, gravados em pedra, tinham sido removidos em Cristo (2 Co 3:7,14).


SOLUÇÃO: Na questão quanto a se a Lei de Moisés foi abolida por Cristo, a confusão se estabelece por se deixar de fazer distinção entre várias coisas.

Em primeiro lugar, há a confusão do tempo. Durante sua vida terrena, Jesus sempre guardou pessoalmente a Lei de Moisés, inclusive oferecendo sacrifícios aos sacerdotes judeus (Mt 8:4), participando das festas judias (Jo 7:10) e comendo o cordeiro pascal (Mt 26:19). De vez em quando ele violava as tradições falsas dos fariseus, que tinham sido levantadas em torno da Lei (cf. Mt 5:43-44), repreendendo-os: "Invalidastes a palavra de Deus, por causa da vossa tradição" (Mt 15:6). Os versículos que indicam que a Lei foi cumprida referem-se à situação depois da cruz, quando não há "nem judeu nem grego... porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gl 3:28).

Em segundo lugar, há uma confusão quanto a certos aspectos. Pelo menos algumas das referências (se não todas) à Lei, a respeito de elas terem sido abolidas no NT, referem-se a cerimônias e tipos do AT. Esses aspectos cerimoniais e tipológicos da Lei de Moisés foram de forma clara abolidos quando Jesus, o nosso cordeiro pascal (1 Co 5:7), cumpriu os tipos e predições da Lei quanto à sua primeira vinda (cf. Hb 7-10). Nesse sentido, Jesus claramente aboliu os aspectos cerimoniais e tipológicos da Lei, não destruindo-a, mas cumprindo-a.

Finalmente, há uma confusão quanto a contexto, mesmo quando as dimensões morais da Lei são discutidas. Jesus, por exemplo, não apenas cumpriu as exigências morais da Lei por nós (Rm 8:2-3), mas também o contexto nacional e teocrático no qual os princípios morais de Deus foram expressos no AT não mais se aplica aos cristãos nos dias de hoje. Por exemplo, não estamos debaixo dos mandamentos como Moisés os expressou para o povo de Israel, porque, ao serem expressos ao povo nos Dez Mandamentos, eles traziam a recompensa de que os judeus viveriam uma longa vida "na terra [da Palestina] que o Senhor, teu Deus, te dá [aos israelitas]" (Êx 20:12). Quando o princípio moral contido nesse mandamento do AT é estabelecido no NT, ele se expressa num contexto diferente, a saber, num contexto que não é nacional nem teocrático, mas pessoal e universal.

Para todas as pessoas que honram seus pais, Paulo declara que eles terão "longa vida sobre a terra" (Ef 6:3). De igual forma, os cristãos não mais estão debaixo do mandamento de Moisés para cultuarem no sábado (Êx 20:8-11), já que, depois da ressurreição, das aparições e da ascensão (as quais ocorreram todas no domingo), os cristãos cultuam no domingo em vez de no sábado (veja At 20:7; 1 Co 16:2).

O culto do Shabbath, declarou Paulo, era no AT apenas uma "sombra" da realidade nova que foi inaugurada por Cristo (Cl 2:16-17). Já que até mesmo os Dez Mandamentos, como tais, foram expressos dentro de um contexto nacional, judeu, teocrático, então o NT pode falar corretamente que o que estava "gravado em pedras" foi, "em Cristo, removido" (2 Co 3:7,13-14).

Entretanto, isso não significa que os princípios morais contidos nos Dez Mandamentos, que refletem a verdadeira natureza de um Deus imutável, não são mais pertinentes aos crentes nos dias de hoje. De fato, cada um dos princípios contidos nos Dez Mandamentos é restabelecido num outro contexto no NT, exceto, é claro, o mandamento para descansar e cultuar no sábado.

Os cristãos hoje não mais se acham debaixo dos Dez Mandamentos tais como foram dados por Moisés, da mesma forma como não estamos debaixo dos requisitos da Lei Mosaica de sermos circuncidados (veja At 15; Gl 3) ou de levarmos um cordeiro ao templo em Jerusalém para ser sacrificado. O fato de estarmos presos a leis morais semelhantes confia o adultério, contra a mentira, contra o roubo e contra o assassinato não prova que estamos ainda debaixo dos Dez Mandamentos, assim como o fato de haver leis de trânsito semelhantes nos diversos estados de um país não implica que um infrator da lei no estado "A" esteja sujeito à lei do estado "B".

A verdade é que aquele que violou uma lei no estado "A" não violou lei alguma do estado "B", nem muito menos está sujeito às penalidades impostas neste estado. Da mesma maneira, embora tanto o AT como o NT se pronunciem contra o adultério, a punição no entanto é diferente - a pena capital no AT (Lv 20:10) e somente a excomunhão da igreja no NT (1 Co 5:1-13), com a esperança de uma reintegração mediante o arrependimento (cf. 2 Co 2:6-8).

Fonte: Manual de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - Norman Geisler / Thomas Howe

.

Igreja cria culto em "drive thru"!

.

Na paroquia de Daytona Beach-Florida nos EUA, os fieis não têm a necessidade de descer do carro para entrar na igreja. Desde 1953, esta igreja da Florida oferece um serviço “drive thru” para cristãos que não tempo à perder. Este é o único das centenas dos exemplos distribuídos durante todo os Estados Unidos, um país onde - além de parar pra comer, ir ao cinema ou parar pra comprar algo - é possível fazer as atividades mais inesplicáveis sem desligar o motor do carro.

Qualquer domingo em Daytona Beach, começa com o reverendo Larry Deitch que em pé no palco traseiro da igreja, abençoa seus fiéis, que lhe esperam no estacionamento. Uma série de cartazes colocados no estacionamento, informa aos condutores que deve ajustar o radio do carro para 88.5 FM e seguir a missa dominical. As palavras do sacerdote são ouvidas através de um moderno sistema de altofalantes e no interior dos automóveis, cujos os ocupantes escutam com atenção. Minutos mais tarde, assim e como indicou o artigo fantástico da notícia, feito por Andrew Kaufman para a revista Time, um grupo de ajudantes reparte entre os fiéis um kit com a sagrada ostia e um pouquinho vinho para receber a comunhão.



E por último, terminada a missa, o reverendo se despede um a um dos fiéis na cabine de saida, caso necessite de mais alguma ajuda espiritual. Mas essa Igreja não é o unico lugar em Daytona a oferecer esse diferencial, em missas para condutores. A igreja Luterana Emmanuel, por exemplo, nos anos 60 adiquiriu um prestígio notavel, por oferecer aos condutores de Hollywood a possibilidade de comulgar. Na sua entrada pode se ver um enorme Outdoor, que anuncia a Celebração da Eucaristia, como se fosse um laçamento de um filme holliwoodiense.

Não muito longe, para os leitores de Los Angeles, uma paroquia local decidiu-se reciclar um velho quiosque e transforma-lo em um centro “Apoio espiritual para condutores”. No Wedding Window em Las Vegas, oferece a possibilidade de se casar sem sair do carro. Por um preço razoavel o sacerdote oficializa a cerimonia como quem compra um BigMac.


Fonte: Notícias Cristãs

Já dizia João Alexandre em sua música poética e realista; "E mais um ídolo importado dita as regras para nos escravizar, é proibido pensar!" Infelizmente temo que mais esta novidade chegue logo em nosso meio através da galera neopentecostal Brasileira.
.