Protesto "fora da lei".

.

Na última sexta-feira (13), centenas de evangélicos protestaram em frente ao teatro Municipal de São Paulo contra ação da Prefeitura em fechar e autuar templos que não possuem alvará de funcionamento. O movimento foi uma resposta do povo evangélico que tem sofrido repressão por parte do executivo e não poder dar continuidade com suas obras que são inclusive assistenciais à sociedade.


Fonte: [ iGospel ]
Dica do Rodney Eloy
Via [ PavaBlog ]

Centenas de dedos, centenas de neurônios...
ps.: "obras que são inclusive assistenciais" é um primor da tradicional cara-de-pau apostólica.
.
Imprimir ou salvar em PDF

2 comentários

HELDER LUCENA mod

Discordo desse tipo de movimento. Entendo que, como cristãos, devemos obediência às leis e andar prudentemente.

É ensinamento bíblico e de sabença comum que as autoridades são constituídas por Deus e a elas devemos obediência.

A lei é dirigida a todos, indistintamente. O fato de fazer parte de uma comunidade cristã, cujos membros professam fazer parte do Corpo de Cristo, não me exime de cumprir a legislação do país.

Aliás, deveríamos ser os primeiros a dar exemplo. O fato da Administração Pública, por meio da lei, exigir alvarás, seja para a construção de templos, seja para o regular funcionamento das organizações religiosas (ou qualquer outra atividade de natureza comercial ou não),não significa intervenção do Estado nas atividades litúrgicas ou no livre funcionamento das instituições.

Compulsando as Escrituras Sagradas, deparo-me com dois exemplos extraordinários: (1)o de Jesus Cristo, quando pagou tributos, dos quais não era devedor. Ordenando, inclusive, que Pedro fizesse o mesmo, evitando escândalos (Mateus 17:24-27); (2)as recomendações de Paulo em Romanos 13:1-7.

Admiramos os ensinamentos de Jesus e de Paulo, pregamos essas verdades às demais pessoas, ordenando-lhes, inclusive, sejam seus seguidores; todavia,na hora de praticarmos esses exemplos, somos os primeiros a nos rebelar.

Temos sempre a idéia de que, uma vez convertidos, estamos dispensados de cumprir as leis.

É de conhecimento comum a construção desordenada de muitos templos, sem a observância de normas técnicas e da legislação.

Depois, acontecem os desmoronamentos, com prejuízos irreparáveis à igreja, à sociedade e às famílias, ante a perda de preciosas vidas humanas e inocentes. A seguir, aparecem líderes que, não querendo assumir os seus próprios erros e desobediências à legislação, buscam transferir as causas de acidentes e suas responsabilidades ao "diabo", quando, evidentemente, a culpa e a responsabilidade civil e criminal é de quem ousou construir e funcionar ambientes sem a observância da legislação.

Liberdade de consciência, de crença e livre exercício de culto (art. 5º, VI e XVI, da CF) não significam agir à margem da lei.

A norma inserta no artigo 5º, inciso VI, da Constituição Federal, estabelece que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício de cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias".

Observe-se, pois, que o legislador constituinte transferiu para a norma infraconstitucional (na forma da lei) a proteção aos locais de culto.

O livre exercício de cultos não é amplo, muito menos irrestrito. Nada há mais restrito que a própria liberdade.

A Constituição Federal assegura o livre exercício do culto religioso, enquanto não for contrário à ordem, tranquilidade e sossegos públicos, bem como contrários aos bons costumes.

A exemplo das demais liberdades públicas, a liberdade religiosa, semelhantemente, não é absoluta. Com efeito, não é permitida a qualquer religião ou culto a prática de atos contrários à lei, sob pena de incidir em responsabilidades de natureza civil e criminal.

Inda. Se pretendo desfrutar da garantia da proteção aos locais de culto que a Constituição me assegura, devo, pois, me submeter, também, à legislação.

A verdade é que: queremos que a lei seja aplicada aos demais; a nós não.

Discordo, porém, desse tipo de movimento que pugna pela ilegalidade e pela rebeldia.

Pergunto: se as organizações religiosas entendem ser ilegais ou inconstitucionais as exigências de alvarás de funcionamento e/ou de construções por parte do Poder Público, por que não buscam a proteção jurisdicional do Estado, ajuizando ações necessárias à proteção de seus “direitos”, se é que os há? Não seria melhor do que essa prática exibicionista e escandalizante?

Helder Lucena
Fortaleza - CE

Responder

Helder... muito obrigado pela sua participação no Blog Bereianos, bem como seu comentário referente à esta postagem.

Parabéns pela colocação, excelente!!!
A mesma merece uma postagem a parte aqui no Blog que, com sua permissão, irei publica-la em breve.

Grande abraço em Cristo!

Responder

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!